A Pesquisa

A pesquisa sobre VADICO possui duas ações principais: a organização de todo material que foi possível localizar sobre o compositor e a descoberta de mais de 500 páginas de partituras inéditas. A partir das informações levantadas, o objetivo é produzir bens culturais que referencie o compositor em sua importância.

Além deste site, serão elaborados um songbook com onze obras instrumentais do compositor; um projeto musical para gravação das obras inéditas e releituras; e, possivelmente, um documentário.

Apesar de ter sido aqui sistematizada pelo músico Franco Galvão, a pesquisa foi feita coletivamente, a partir do esforço e do conhecimento de diversas pessoas e entidades.

Quanto à organização do material, a pesquisa tem como referência as duas maiores fontes já produzidas sobre a vida e obra de VADICO, a biografia “Pra Que Mentir?“, de Gonçalo Junior; e o podcast da Rádio Batuta, “O feitiço e o feitio de Vadico” com concepção, roteiro e apresentação de João Máximo.

Com base nas informações apresentadas por essas duas mídias, foram utilizados diversos acervos virtuais para se levantar um “inventário fonográfico” do compositor – que está organizado na Linha do Tempo e na Discografia. Certamente, os mais relevantes são Discografia Brasileira, do Instituto Moreira Salles; Instituto Memória Musical Brasilera; Discos do Brasil, organizado pela jornalista e musicóloga Maria Luiza Kfouri.

Do mesmo modo, cita-se as bases de dados do Ecadnet; das associações de compositores Amar, Abramus, Assim, Sbacem, Sicam, Socinpro e UBC; e das editoras Irmãos Vitale, Universal Music Brasil, Fermata e, em especial, a Mangione Filhos e Cia, que manteve armazenadas por 60 anos as partituras de duas músicas. 

Outra base usada, pouco conhecida, mas muito preciosa, foi a Discogs – a maior plataforma online de compra e venda de discos. Lá foi possível localizar e adquirir uma série de discos dos quais se suspeitava encontrar a participação de VADICO.

E, também, é claro, foi possível encontrar peças surpreendentes da produção de VADICO nas plataformas do Youtube e de Spotify.

A consulta de matérias de jornais para verificar os fatos da vida de VADICO e os acontecimentos ocorridos no tempo em que viveu foi a Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional, na qual é possível acessar as edições dos principais jornais e revistas brasileiros publicadas durante o Século XX. As matérias sobre VADICO estão disponíveis ao longo da Linha do Tempo.

Foram muitas as pessoas consultadas, sem as quais a pesquisa não teria a mesma contundência. Os biógrafos de Noel Rosa, Carlos Didier e João Máximo, bem como o autor da biografia de Marino Pinto, André Câmara, foram de fundamental importância para se entender a trajetória de VADICO.

Os colecionadores de vinil Miguel Nirez, Adilson Santos, Gilberto Inácio Gonçalvez e Miguel Bragioni forneceram informações indispensáveis sobre a produção de 78RPM do compositor.

Os músicos Jayme Vignoli, Cristovão Bastos e Rildo Hora contribuíram imensamente para entender quem foi o VADICO que viveu no Rio de Janeiro dos anos 50; o pianista Amilton Godoy, para a localização de informações sobre músicas inéditas.

A pessoa que merece destaque para o desenvolvimento dessa pesquisa é Itamar Dantas. O pesquisador foi quem primeiro encontrou os fonogramas do álbum “Voyage au Brésil” de Katherine Dunham – três choros descritos sob autoria de Vadico Gogliano – e incentivou o músico Franco Galvão a continuar a investigação sobre o compositor.

A descoberta das partituras inéditas se deve ao esforço extraordinário das instituições estadunidenses que se dedicam em manter o acervo de Katherine Dunham. O museu de Katherine, localizado em Saint Louis (EUA), foi a entidade que colocou Franco Galvão em contato com Marie-Cristine Dunham Pratt, filha da bailarina. Ela instruiu o músico a investigar sobre a passagem de VADICO pela companhia da mãe na Special Collections de Katherine Dunham, mantido pela Morris Library, da Southern Illinois University.

Depois de realizar uma busca criteriosa no catálogo online da Biblioteca, Franco Galvão identificou que existiam caixas e pastas na coleção com o título “Choro”, e que possívelmente poderiam conter músicas inéditas de VADICO.

Talvez a pessoa mais essencial para o descobrimento das partituras inéditas seja Matthew Gorzalsky, arquivista da Special Collections de Katherine. A pedido de Franco Galvão, Matthew passou dois meses escaneando um total de 541 páginas de partituras manuscritas de diversas naturezas, com tamanhos e formatos distintos. As partituras têm mais de 60 anos de idade e necessitam receber tratamento cuidadoso. Felizmente, a maior parte estava em excelentes condições.

Com os arquivos da versão escaneada das partituras em mãos, Franco realizou um processo de identificação e catalogação. O músico então inseriu nota por nota no software de edição de partituras, para remontar as músicas digitalmente. O resultado foi a restauração de oito músicas completamente desconhecidas, com formato para grandes formações, como orquestra jazz sinfônica, big band e orquestra de cordas.

Posteriormente, Franco Galvão viajou para a Southern Illinois University com o objetivo de verificar se seria possível encontrar mais materiais musicais de VADICO, para além do que já tinha sido recuperado. Nesta ocasião, o músico também realizou uma palestra sobre a pesquisa e um concerto musical com um quarteto de cordas formado por alunos e professores do departamento de música da universidade.

Além do mais, durante a viagem, foram feitas filmagens do arquivo, de Matthew Gorzalsky e do músico Franco Galvão, para que futuramente seja elaborado um documentário sobre o compositor.

O songbook está sendo confeccionado por meio do esforço de quatro pessoas. Franco Galvão está fazendo a transcrição dos fonogramas e redução das peças de grandes formações para partituras no formato melodia e cifra – configuração típica para songbook. O músico Fernando Sagawa está fazendo a revisão das notas e da harmonia, bem como fazendo sugestões para melhor inteligibilidade do material. Bruna Cassou está realizando a formatação e o layout das partituras, para que apresentem uma disposição mais adequada para leitura e estudo. E Eduardo Palazzo – designer gráfico que fez este site – está desenvolvendo a capa, índice e a diagramação final do caderno, tanto em versão virtual, quanto impressa.

Além do designer, este site foi construído sob o olhar cuidadoso das produtoras Jeanne de Castro e Letícia Andrade. Juntas, as duas coordenaram a feitura da plataforma e da organização do conteúdo. Além disso, foram responsáveis pelo levantamento e a produção da aba Discografia, e da revisão final do site.

O lançamento do site foi realizado na Escola de Choro de São Paulo, em dezembro de 2022, em uma noite festiva e de celebrações sobre a obra de VADICO.

Atualmente, o objetivo é criar um projeto musical que faça a gravação das músicas desconhecidas e que regrave um conjunto de obras selecionadas de VADICO. Franco Galvão teve uma proposta musical aprovada com louvor pelo Selo Sesc. O projeto está sendo feito em parceria com a produtora Paula Rocha e segue em elaboração, com lançamento do álbum previsto para 2024.

Para encerrar, cabe mencionar que fazer o tratamento de um patrimônio cultural é uma tarefa delicada. A pesquisa e a constituição de bens culturais sobre a produção de VADICO GOGLIANO acontece para que haja a consolidação do compositor como sujeito de sua própria história e enquanto ativo participante do desenvolvimento da identidade musical brasileira. Portanto, as decisões devem ser feitas com cautela, uma vez que estamos abrindo novas percepções sobre acontecimentos passados e que dizem respeito a outra pessoa.

Por essa razão, é preciso agradecer a todos que ouviram atentamente e contribuíram para problematizar as questões mais sensíveis na realização da empreitada. Certamente, o resultado não seria o mesmo sem os apontamentos rigorosos dos amigos Edmilson Capelupi, Bia Paes Leme, Sofia Chiavacci, Maurício Espósito, Raphael Machado, Leandro Gomes, Gustavo Torrezan, Roberta Leccese, entre outros que foram mencionados acima – alguns que inicialmente não eram amigos, mas que ao longo do processo passaram a ser!

É também fundamental destacar o papel da família Gogliano em prezar pela herança de Oswaldo Gogliano, o nosso VADICO. Um agradecimento especial para Daisy Gogliano, sobrinha do compositor, que tem colaborado imensamente com as atividades.